"Foca"da

Pondo a verdade em foco

O princípio do fim chega perfeito

A parte I do final de “Harry Potter – E as relíquias do mal” retrata, como em todas as guerras, os ânimos dos personagens que se conciliam de acordo com o estranhamento da situação. As relações são moldadas mais do que nunca a partir da confiança. E entre tantos momentos dramáticos as piadas marcam espaço como parte importante do enredo. A quebra de momentos que, por vezes, podem levar ao choro com cenas típicas do humor inteligente e sarcástico transmite a sensação de inconstância de sentimentos em um momento de guerra.

O filme foi montado sem sutilezas e ao mesmo tempo o corte de uma cena a outra é uma transição que passa a sensação de agilidade, o que se faz necessário, já que as cenas são em grande parte tomadas externas – sem muitos detalhes criados com efeitos especiais, como em Hogwarts. Os três amigos viajam pelas lembranças de Hermione para lugares praticamente desérticos. Enquanto tentam sobreviver para encontrar a solução das charadas que levaram a localização das horcruxes – partes da alma de Voldemort – que devem ser destruídas. A solidão é muito explorada. Assim como as inseguranças de cada um.

A tensão amadurece junto com a interpretação dos atores principais, agora representando adultos. Mas quem se destaca é Rony (Rupert Grint) com uma atuação sóbria, digna de atores ingleses. Talvez nos outros filmes o cenário e os efeitos especiais digam mais do que os personagens inseridos no contexto. Dessa vez as atuações podem muito bem lembrar as de peça de teatro no sentido de destacar com intensidade a expressividade de cada um, o que deixa o cenário em segundo plano como um complemento.

A cena que demonstra o tom que percorrerá o filme é a de Hermione em casa com os pais. Onde ela usa a magia para retirar as lembranças de si mesma como parte da família. Ela vai sendo apagada de todos os porta-retratos espalhados pela casa. Isso conta muito sobre a jornada solitária dos três amigos. O testamento de Alvo Dumbledore é o ponto que remete a jornada do herói de Campbel. A herança deixada por ele beneficia os três e indicam as possíveis situações que virão.

Fique atento a história dos três irmãos contada em animação. Esse filme talvez até mais que os outros é uma constante trilha de pequenas pistas que levam o espectador a imaginar a continuação final. Cenas de tortura conseguem se equilibrar com a intenção de esperança. A trilha de Alexander Desplat está para este filme como o bem casado em casamentos, o desfecho perfeito para cada uma das cenas fotografas pelo diretor, David Yates

No comments yet»

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: